Générateur portugais de faux textes aléatoires

Lorem ipsum a généré 50 listes pour vous.
Vous pouvez utiliser ce texte lorem ipsum dans vos maquettes, sites web, design, ebook... Le texte généré aléatoirement est libre de droit.

Le faux texte a bien été copié

  • sósinha Sem ter nenhum dos seus Aqui ao pé ceguinha
  • Havias ao teu rosto De me apertar a mim D encher fartar de gosto
  • Andasse ainda eu lá desenganado Mesmo já como estou de achar
  • lindo pé que tens Maria Esse quadril tão largo e cinta estreita
  • Quizera nos meus cofres de poeta Ter as riquezas todas do Oriente
  • suspira E levanta o collo ao céo Vê vir raiando a aurora
  • existencia alguma Que não tenha amor nenhuma Porque
  • Prestes se inda na rocha de granito D onde em tempo
  • Girar talvez Em quanto a minha sombra meus amores
  • Pára quando a engole Aquelle mar sem fundo Nem pára
  • Converte me este inferno Em azulado céo Ou quebra o laço eterno
  • trouxe me rosas E nada mais natural Mas eu prendas tão mimosas
  • paixão que assim me trouxe Tão erradio a mim digo a verdade
  • ditoso alegre e satisfeito Não viverá o homem que algum
  • Senão diga me alguem que allivio é este Que sinto quando
  • Deixa que a nuvem negra tolde a lua Se a leva a tempestade Deixa
  • sombra d altos edificios Miudissimas flôres De tão subtís
  • mysterio é tudo Folhinha d herva e estrella Não ha comprehendêl
  • quanto levas pobre luz Amor que em mim não cabe vai depôr
  • trovão no momento Que soltava esta heresia E áquella rouca
  • desventura Oh destino cruel Vejo as ainda ir com as mãos incertas
  • homem se anjo e nume Planta e flôr Dá seu canto luz perfume
  • poucas ellas são Vê lá se o teu cabello É para comparar
  • nuvem que nos passa Pela manhã nos ares Era hontem a fumaça
  • Depois de mortos Hemos de vêr nos e um no outro absortos Fartar
  • linda voz nos sái dizendo As mimosas palavras que costuma Sente
  • cysne expirando alçar teu canto Has de lá quando a lua da montanha
  • mesma tristeza anima A encarar a pé quedo A morte que se aproxima
  • admira a mim que a crystallina Tão pura onda do mar que espelha
  • passa á maneira Assim d um caracol Áquella farrobeira
  • velhinha já não tendes côres Que o rosto animem e que os olhos
  • Quando em silencio finges Que um beijo foi furtado E o rosto
  • Bemdito seja Deus Além n aquelle serro Parece que raspou
  • Minha senhora Thuribulo suspenso inda fluctuo Em quanto
  • sentimento Ha uma hora ou mais Marina que contemplo
  • diluvio d agua E o furacão que fez Emilia até dá mágoa Tantos
  • cinza em terra em nada Meu sêr converte ó luz Mas sempre sempre
  • linda côr Não ha flôr de côr mais linda Mas a tua côr ainda
  • Murcha a rosa que desgosto Só de lhe a gente bulir E essas rosas
  • sósinha chorando Me lembrava ora a ventura Da minha infancia
  • tambem a flôr que nasce ao pé D agua corrente Ir tão suavemente
  • Gelasse a morte fria A mão profanadora Que te ennublasse
  • triste e o coração que me adivinha N este supplicio nosso
  • gente que faz gala Em coisa que vê contal a E sendo mal permittida
  • Acordo até de noite suspirando Por que rompa a manhã e tenha
  • vultos que os vestidos Tão negros que pozeram De luto tão compridos
  • saudade em me lembrando O bello tempo que passei com ellas
  • tarde quando o albergue No solitario val Incenso queima
  • abrazo É como a luz da fé Que além de cega apaga O facho
  • Dorme estatua de neve Vergontea de marfim Tocar que impio