Générateur portugais de faux textes aléatoires

Lorem ipsum a généré 50 listes pour vous.
Vous pouvez utiliser ce texte lorem ipsum dans vos maquettes, sites web, design, ebook... Le texte généré aléatoirement est libre de droit.

Le faux texte a bien été copié

  • Então se por encanto Fallando em ti mas só Todo banhado
  • dispara a setta envenenada Á pombinha que aos ares despedira
  • diluvio d agua E o furacão que fez Emilia até dá mágoa Tantos
  • Deixál os dizer Se Deus me deu flôres Foi para as colher
  • Bemdito seja Deus Além n aquelle serro Parece que raspou
  • quanto levas pobre luz Amor que em mim não cabe vai depôr
  • quando penso bem n esse mysterio Da virtude infeliz vai teu caminho
  • Passavam os amores Oh não mil vezes antes No céo lá onde habitas
  • pallido Maria O pensamento Não é trabalho que nos dê saude
  • cobra enorme Á calma quando está Grande calor conforme As tenho
  • Pobre musgo descuidado Sem olhos para chorar Sem poder alliviar
  • Confessa rosa animada Que és outra casta de flôr
  • tambem Amparando me tu a mim nos braços Eu seguia te os passos
  • piedade É filha da mulher Que sempre quiz metade D uma afflicção
  • tenho um moreno Tenho um de outra côr Tenho um mais pequeno
  • tempo simplesmente A flôr que vai nascendo e mais valia Seres
  • paixão que assim me trouxe Tão erradio a mim digo a verdade
  • Deixa que ao romper d alva o cravo abrindo Á rosa envie o aroma
  • Está a porta aberta E vejo alumiada A parte descoberta
  • andam a passar Do quarto onde acabaste Á casa de jantar Os vultos
  • triste e o coração que me adivinha N este supplicio nosso
  • homem se anjo e nume Planta e flôr Dá seu canto luz perfume
  • mysterio é tudo Folhinha d herva e estrella Não ha comprehendêl
  • Perdoa se isto exprime Maldade aos olhos teus Perdoa
  • Consolos não te dou que não existe Quem de lagrimas suas nunca
  • lindo pé que tens Maria Esse quadril tão largo e cinta estreita
  • breve desenganada D essa existencia isolada Darás n alma franca
  • Gelasse a morte fria A mão profanadora Que te ennublasse
  • montes vi tambem Nos vastos horisontes mais alguem Nos tristes
  • Depois de mortos Hemos de vêr nos e um no outro absortos Fartar
  • cysne expirando alçar teu canto Has de lá quando a lua da montanha
  • ellas mãi e irmã cinzas cobertas D um só jacto de terra
  • gente que faz gala Em coisa que vê contal a E sendo mal permittida
  • bello pescoço não existe Outro assim torneado o rosto é lindo
  • gente na sua mocidade Não cabe em si não pára de contente
  • Prestes se inda na rocha de granito D onde em tempo
  • Quando tinha se me désse Não digo mais que uma flôr Talvez
  • Astros fio me em vós e Deus permitta Que os infelizes sempre
  • Jupiter acode lhe Senão diriam filha que as guardavamos
  • Intima voz do fundo bem do fundo D alma me diz e as lagrimas
  • passa á maneira Assim d um caracol Áquella farrobeira
  • cinza em terra em nada Meu sêr converte ó luz Mas sempre sempre
  • limpido diamante e fio de oiro Quizera vos tecer collar
  • Acordo até de noite suspirando Por que rompa a manhã e tenha
  • vezes que a onda cáia Ha uma rocha uma praia Aonde
  • Enfeitiçaes que a formosura crêde Não vem da face avelludada
  • beijo Se apenas o dou Desfaz se me o pejo E o gosto ficou
  • Despe o luto da tua soledade E vem junto de mim lirio esquecido
  • Andasse ainda eu lá desenganado Mesmo já como estou de achar
  • Depois a rosa em abrindo Vai se lhe o cheiro tambem A tua bocca