Générateur portugais de faux textes aléatoires

Lorem ipsum a généré 50 listes pour vous.
Vous pouvez utiliser ce texte lorem ipsum dans vos maquettes, sites web, design, ebook... Le texte généré aléatoirement est libre de droit.

Le faux texte a bien été copié

  • diluvio d agua E o furacão que fez Emilia até dá mágoa Tantos
  • breve desenganada D essa existencia isolada Darás n alma franca
  • Gelasse a morte fria A mão profanadora Que te ennublasse
  • Cheiro o da rosa esse não Não é mais do meu agrado
  • Ergue se e cai conforme A lei que o manda assim
  • Desde pela manhã até sol posto Que não tens de descanço
  • saudade em me lembrando O bello tempo que passei com ellas
  • tenho um moreno Tenho um de outra côr Tenho um mais pequeno
  • paixão que assim me trouxe Tão erradio a mim digo a verdade
  • Astros fio me em vós e Deus permitta Que os infelizes sempre
  • Porém quem é que apanha o aereo véo Da nuvem da montanha
  • concebo Como Deus me creasse Para tormento eterno
  • pallido Maria O pensamento Não é trabalho que nos dê saude
  • mysterio é tudo Folhinha d herva e estrella Não ha comprehendêl
  • lagrimas d amor Vê n esse espaço immenso Os astros como estão
  • bonita meu amor Que perfeita que formosa A ti pozeram
  • andam a passar Do quarto onde acabaste Á casa de jantar Os vultos
  • Confessa rosa animada Que és outra casta de flôr
  • espaço immenso Se amada estrella olhar piedoso envia
  • Deixa que ao romper d alva o cravo abrindo Á rosa envie o aroma
  • Ólho as nuvens esvaíam se Os roncos do mar ouviam
  • Deixa que a nuvem negra tolde a lua Se a leva a tempestade Deixa
  • Bemdito seja Deus Além n aquelle serro Parece que raspou
  • bello pescoço não existe Outro assim torneado o rosto é lindo
  • cobrar logo A fórma e côr perdida E a bocca toda fogo Ah inspirar
  • Acordo até de noite suspirando Por que rompa a manhã e tenha
  • importa digam no É pelo fructo que a oliveira escolho
  • Dorme dorme Vergontea de marfim Mas dize o espelho a imagem
  • braços Te desbotasse as côres Passavam os abraços
  • ainda o pranto corria E o cabello me batia No rosto que me doía
  • quanto levas pobre luz Amor que em mim não cabe vai depôr
  • Andasse ainda eu lá desenganado Mesmo já como estou de achar
  • cáia em casar Mulher não é rola Que tenha um só par Eu tenho
  • Beija a pomba o seu par e abraça a onda A rocha inanimada
  • Chega a corrente lá Engole a logo a onda Depois
  • nuvem da manhã resplandecente Manto real de sêda delicada
  • Está na mesa O que ha em casa é tirar Tirar com toda a franqueza
  • vezes que a onda cáia Ha uma rocha uma praia Aonde
  • Depois de mortos Hemos de vêr nos e um no outro absortos Fartar
  • tristeza tamanha E lembra me ir á montanha Que temos aqui vizinha
  • Quando tinha se me désse Não digo mais que uma flôr Talvez
  • Vendo as Minerva todas infructiferas Que é isto exclama
  • sentimento Ha uma hora ou mais Marina que contemplo
  • gente que faz gala Em coisa que vê contal a E sendo mal permittida
  • Minerva brada o pai d homens e deuses És quem de todos sabes
  • dispara a setta envenenada Á pombinha que aos ares despedira
  • abrazo É como a luz da fé Que além de cega apaga O facho
  • poucas ellas são Vê lá se o teu cabello É para comparar
  • suspira E levanta o collo ao céo Vê vir raiando a aurora
  • quando penso bem n esse mysterio Da virtude infeliz vai teu caminho